Skip links

Afinal quem usa os nossos dados pessoais?

Afinal quem usa os nossos dados pessoais?

A vigilância de dados digitais está fora de controlo. Devido à falta de políticas governamentais, que deveriam limitar e proteger as intrusões digitais, as multinacionais assumem o papel. Dissimulação ou visão para o bem maior?

É esperado, com o lançamento do novo sistema operacional – iOS 14, que os utilizadores de iPhone comecem a receber uma mensagem pop-up no momento da abertura de aplicações, pedindo autorização por parte dessa mesma aplicação para registar tudo o que se faz noutras aplicações e websites. Qual é o objetivo destas mensagens pop-up? Foi a forma que a Apple encontrou de proteger a privacidade dos seus utilizadores, dando-lhes a escolher se desejam ou não partilhar os seus dados pessoais.

A Google, juntando-se à Apple, também está a refazer o seu popular navegador Chrome com o semelhante propósito de limitar o rastreamento digital perpétuo. Estas pequenas alterações são na verdade grandes progressos tecnológicos pois, pela primeira vez, o sujeito tem poder de decisão.

Acreditando que, inicialmente, a recolha de dados pessoais por parte das aplicações e websites tinha o intuito de personalizar a publicidade para alcançar a pessoa certa com o anúncio certo, agora assume uma escala drasticamente maior e mais obscura.

Na atualidade, na grande maioria de blogs e sites informativos, não conseguimos ter acesso ao conteúdo a não ser que aceitemos a política de cookies. De momento, os nossos dados pessoais e privados já estão nas mãos de centenas de empresas e não sabemos o que poderão fazer com eles. O caso é de tal forma alarmante que, em várias ocasiões, como por exemplo em eleições, os nossos dados foram e são utilizados para nos influenciar e manipular.

Se por um lado nos sentimos finalmente protegidos, por outro não podemos deixar de pensar na autoridade que estas grandes empresas possuem e como têm um enorme poder de influência.  A Apple sempre valorizou a privacidade e como a empresa não possui um negócio de publicidade, não se vê afetada diretamente com a implementação desta política. Já a Google, uma empresa que tem um rendimento brutal com a publicidade hospedada que necessita dos dados dos utilizadores, questionamos quais serão as suas intenções com a limitação do rastreamento.

Para além disso, uma empresa de renome que, anunciou publicamente estar contra a iniciativa da Apple é o Facebook, a rede social que recentemente foi “desmascarada” por ceder os dados pessoais dos seus utilizadores a cerca de 150 gigantes da tecnologia. A maior rede social virtual do mundo é também conhecida por ganhar milhões graças à publicidade nas suas aplicações.

No final de contas, com a implementação destas mensagens pop-up e de medidas que previnam as intrusões digitais, a publicidade online deixará de ser tão eficiente e levará a perdas de elevadas quantias por parte das organizações.

É de louvar a iniciativa por parte destas multinacionais, mas é imperativo nunca deixar de questionar qual será o verdadeiro motivo por detrás das suas ações até porque, no fundo, tudo é estratégia de negócio.

Saiba como podemos contribuir para a segurança da sua organização através da nossa oferta de formações e da certificação nas nossas
áreas de atuação.

Fale com um Especialista

Serviços de Consultoria

Conheça algumas das áreas onde atuamos.

SABER MAIS

Norma ISO 27001

SABER MAIS

RGPD (Regulamento da Proteção de Dados)

SABER MAIS

ITMARK

Return to top of page